O doente imaginário, Molière

Tags

, , , , , , ,

 

 

Autor: Molière
Adaptação: Marilia Toledo
Lit. Francesa / Teatro / Infantojuvenil
Editora: 34
Páginas: 144
Ano: 2010
Ano de Publicação Original: 1673

 

Comprei O Doente Imaginário depois de ter me encantando com Molière em O Misantropo, mas não prestei atenção que a edição da Editora 34 se tratava de uma adaptação feita por uma autora de teatro para o público juvenil.⠀

É explicado na introdução que ela buscou preservar tanto o conteúdo como a forma original da peça, mas simplificando um pouco para que pudesse ser encenada para crianças. Bem, já estava com o livro em mãos, continuei.⠀

A história gira em torno do hipocondríaco Argan, o doente imaginário, que tenta casar a filha com um médico, para facilitar sua vida. A peça se transforma em uma enganação sem fim, com o médico prescrevendo remédios sem necessidade, a esposa tentando arrancar dinheiro do marido, a criada tentando ajudar a filha do doente a casar com quem ama e os pretendentes tentando se passar por boas e inteligentes pessoas.⠀

Dá para notar a intenção de Molière em criticar a hipocrisia de então [e sempre atual], mas certamente muito se perde no texto adaptado. Ciente de que li uma adaptação, preciso analisá-la como tal, mas confesso que esperava mais.⠀

Para o público infantojuvenil, no entanto, é bem divertido e interessante, especialmente como uma introdução ao mundo das peças. A edição traz também um resumo sobre como montar uma peça teatral.⠀

Recomendo, assim, como literatura infantojuvenil. Para quem queria o original, como eu, melhor procurar outra edição.

Comprar:

Compre aqui Amazon

Sinopse: Levada ao palco pela primeira vez em 1673, a peça O doente imaginário tornou-se um dos maiores clássicos da comédia e continua a ser encenada até hoje no mundo inteiro. A divertida intriga criada por Molière (1622-1673) tem por base o conflito entre a autenticidade e a hipocrisia. No centro da trama está o hipocondríaco Argan, figura ao mesmo tempo simpática e detestável, que permanece como um dos grandes personagens a que o célebre dramaturgo francês deu vida.
A premiada autora de teatro Marilia Toledo nos oferece agora a sua adaptação da obra, voltada aos jovens, que ressalta toda a graça do original, mantendo-se sempre fiel ao espírito crítico e bem-humorado de Molière. Além das geniais ilustrações de Laerte, a edição inclui um esclarecedor texto sobre o processo de montagem de uma peça teatral.

O conto da ilha desconhecida, José Saramago

Tags

, , , , , , ,

 

 

 

Autor: José Saramago
Lit. Portuguesa / Nobel
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 64
Ano: 1998

 

Que livrinho sensacional! O conto da ilha desconhecida, de Saramago, foi uma grata surpresa. Pequeno no tamanho, gigante nas reflexões que nos traz.⠀

Saramago nos conta sobre um homem que bate à porta do rei para lhe fazer um pedido esquisito: um barco para encontrar uma ilha desconhecida. Depois de muita insistência, eis que o barco lhe é concedido, mas isso não significa que o homem esteja pronto para navegar.⠀

Assim que terminei a leitura, parei e pensei, preciso reler. Agora! Imediatamente. E o fiz. Reli. E deveria [o farei] reler esse conto outras tantas vezes na vida.⠀

Começa com uma crítica aos governos e à burocracia, usando para isso uma espécie de telefone-sem-fio, mostrando a inutilidade de se ter tanta gente fazendo um trabalho que meia dúzia de pessoas poderia desempenhar com maior eficácia. E isso é só um mero detalhe no mar de metáforas que se seguem.⠀

O conto da ilha desconhecida fala de autoconhecimento, das suas dificuldades, de como achamos que não há nada novo a ser descoberto, e Saramago nos convida a nos questionarmos: como saber se não há nada novo? Como veremos a ilha se não sairmos da ilha?⠀

Saramago nos mostra uma “porta das decisões”, por mais difícil que seja ultrapassá-la, não há volta, mas pode haver alívio. Ele fala sobre determinação e perseverança, sobre como é difícil conseguir um barco, e que, mesmo depois de consegui-lo, navegá-lo pode não ser tão fácil.⠀

Para cada leitor, certamente há uma interpretação diferente, portanto não creio ter “estragado” o livro para vocês com minha opinião. Confesso que esperava um final mais pomposo, mas isso não tira o brilho dessa pequenina história cheia de significado.

 

Comprar:

Compre aqui Amazon

Sinopse: Um homem vai ao rei e lhe pede um barco para viajar até uma ilha desconhecida. O rei lhe pergunta como pode saber que essa ilha existe, já que é desconhecida. O homem argumenta que assim são todas as ilhas até que alguém desembarque nelas.
Este pequeno conto de José Saramago pode ser lido como uma parábola do sonho realizado, isto é, como um canto de otimismo em que a vontade ou a obstinação fazem a fantasia ancorar em porto seguro. Antes, entretanto, ela é submetida a uma série de embates com o status quo, com o estado consolidado das coisas, como se da resistência às adversidades viesse o mérito e do mérito nascesse o direito à concretização. Entre desejar um barco e tê-lo pronto para partir, o viajante vai de certo modo alterando a idéia que faz de uma ilha desconhecida e de como alcançá-la, e essa flexibilidade com certeza o torna mais apto a obter o que sonhou.
“…Que é necessário sair da ilha para ver a ilha, que não nos vemos se não saímos de nós…”, lemos a certa altura. Nesse movimento de tomar distância para conhecer está gravado o olho crítico de José Saramago, cujo otimismo parece alimentado por raízes que entram no chão profundamente.
Inédito em livro, O conto da ilha desconhecida é ilustrado por oito aquarelas de Arthur Luiz Piza.

Uma Duas, Eliane Brum

Tags

, , , , , ,

 

 

Autora: Eliane Brum
Literatura Brasileira
Editora: Leya
Páginas: 176
Ano: 2011

 

Uma Duas, da brasileira Eliane Brum, foi um dos livros mais bem comentados nos últimos meses nos grupos de literatura. Dizia-se que era um livro pesado, que doía no leitor. Pois bem, diante disso, pensei que eu seria mais uma leitora a gostar.⠀

O começo empolga, você devora as páginas, gosta da história e teme pelo que estar por vir. Mas isso tudo passa muito rápido, porque o que estava por vir fica logo bem claro e daí para frente não muda muito. Senti como se lesse a mesma coisa do início ao fim.⠀

Dói? Depende. No começo até dá para sentir a dor das personagens, mas depois fica tudo um pouco exagerado e não consegui sentir nada. Foi como se eu tivesse desligado o botão da emoção.⠀

Eu já havia lido há um bom tempo o livro A Pianista (resenha aqui), da austríaca Elfriede Jelinek, ganhadora do Nobel de Literatura de 2004, que tem a mesma temática de Uma Duas: uma relação difícil, doentia e perturbadora entre mãe e filha. A Pianista é, no entanto, sensacional! Denso, pesadíssimo, mas um primor. Talvez, por ter comparado um com o outro – e era inevitável fazê-lo – Uma Duas ficou bem aquém das minhas expectativas e deixou a desejar.⠀

Quer um livro pungente, mas muito bom? Leia A Pianista! Um Duas não é ruim, mas é uma leitura mais, digamos, simples que a da austríaca.

Sinopse: Esta obra trata da relação entre mãe e filha. Desde que seu pai deixou a família, diante de circunstâncias surpreendentes, a jornalista Laura e sua mãe, Maria Lúcia, mantêm uma relação distante, quase inexistente. Porém, um sério problema de saúde de Maria Lúcia acaba forçando a convivência das duas novamente.

Os Pilares da Terra, Ken Follett

Tags

, , , , , , ,

 

 

 

Autor: Ken Follett
Ficção histórica / Idade Média
Editora: Rocco
Páginas: 944
Ano: 2012

Ken Follett já tinha me conquistado quando eu lera a trilogia O Século (Queda de Gigantes, Inverno do Mundo e Eternidade por um fio), mas, por mais que eu já esperasse gostar de Os Pilares da Terra, não imaginava que devoraria tão rápido suas quase mil páginas.

A história se passa na Inglaterra do século XII, em plena Idade Média, quando o clero tinha muito poder político e seus membros de alto escalão se metiam em negociações com a nobreza. A trama se desenrola em torno da construção da catedral do priorado de Kingsbridge e envolve muitos – e cativantes – personagens. Em meio a isso, temos grandes disputas ocorrendo, como uma guerra entre herdeiros do trono e de um condado.

Não temos apenas um protagonista, mas muitos personagens cuja importância não consigo enumerar, o que me parece uma característica já do autor e parte de sua fórmula de sucesso. Com isso, viramos as páginas sem perceber e não conseguimos parar de ler.

Além de toda a ação ininterrupta e do ritmo frenético, ainda nos deparamos com as descrições – mesmo que básicas – das catedrais da época e suas escolhas construtivas e arquitetônicas, como suas proporções, o formato dos arcos e das abóbadas, seus vitrais e a entrada de luz, tipo de pilares, uso de nervuras, distribuição de carga, quantidade de naves e a forma do coro. Um extra para arquitetos como eu, ou para quem se interessa pelo assunto.

A tudo isso, acrescente um pano de fundo histórico super interessante. Ken Follett, mesclando personagens fictícios a reais, nos transporta para a Idade Média e vivenciamos um pouco do funcionamento da vida do povo, do clero e da nobreza. Gostei, em especial, do fato de o autor não colocar todos os padres da época no mesmo “balaio”. Não eram todos corruptos, nem todos santos.

Ken Follett é, sem dúvida, um mestre do entretenimento e Os Pilares da Terra merece o sucesso que tem já há alguns anos.

Comprar:

Compre aqui Amazon

 

 

 

Sinopse: Um mergulho na Inglaterra do século XII através da saga da construção de uma catedral gótica. Emocionante, complexo, pontilhado de coloridos detalhes históricos, Os Pilares da terra, de Ken Follett, é um clássico que traça o painel de um tempo conturbado, varrido por conspirações, intrincados jogos de poder, violência e surgimento de uma nova ordem social e cultural. O livro, que há mais de 20 anos conquista novos leitores e já vendeu mais de 18 milhões de exemplares em 30 idiomas, volta agora às livrarias em volume único, capa dura, cuidadoso projeto gráfico e preço competitivo.

Caravaggio, Gilles Lambert

Tags

, , , , , ,

 

 

Autor: Gilles Lambert
Arte / Biografia
Editora: Taschen
Páginas: 96
Ano: 2015

 

Caravaggio é um dos meus pintores favoritos, mas, apesar disso, eu quase nada sabia sobre sua vida. Foi tão genial quanto foi polêmico, tinha tanta facilidade de pintar quanto tinha de se meter em brigas e confusões.

Gostava de chocar e burlava até as próprias encomendas que lhe faziam colocando algo escandaloso nelas. Diferente dos seus colegas, pintava no escuro e escolhia como modelo para suas criações o povo da rua, prostitutas, mendigos. Seus quadros tinham sempre um jogo de luz e sombra, uma dramaticidade e um realismo impressionantes.

Foi um gênio, isso é indiscutível. Esta edição da Taschen nos traz um breve panorama de sua obra e vida, em um texto resumido e simples, porém bom. Dá para ter uma boa noção de quem foi Caravaggio e do que está por trás de suas telas. Não entra, no entanto, em quesitos técnicos de pintura.

Faz parte de uma coleção bem acessível e cumpre o que promete, em um material gráfico de excelente qualidade, com papel apropriado e muitas ilustrações. Para quem quer ler uma biografia completa, este não é o melhor livro, mas para quem quer saber um pouco sobre o pintor, vale bem a pena.

Comprar:

Compre aqui Amazon

Sinopse: Este livro apresenta um resumo cronológico detalhado da vida do artista, e da obra, cobrindo sua importância histórica e cultural. Cerca de 100 ilustrações a cores, com comentários explicativos além de uma biografia concisa.

No mar, Toine Heijmans

Tags

, , , , , , ,

 

 

Autor: Toine Heijmans
Lit. Holandesa / Lit. Contemporânea
Editora: Cosac Naify
Páginas: 160
Ano: 2015

Comprei No Mar em uma daquelas promoções após o encerramento da Cosac Naify sem ter referências sobre o livro, confiando apenas na boa seleção da editora. De fato, era pouco comum a Cosac errar a mão e, como eu esperava, gostei muito do livro.

No Mar, do escritor holandês Toine Heijmans, é narrado em primeira pessoa por Donald, um homem de 40 anos que resolve passar três meses no mar, pensando na vida. Cansado de ver colegas mais novos alcançando cargos que ele sempre desejou, cansado da vida, das promoções que não vinham, Donald conta a sua esposa que a empresa lhe oferecera um período sabático remunerado, que velejaria sozinho durante esse tempo e que gostaria de levar sua filha nos dias finais do trajeto. Ela concorda, e é justamente o relato desses momentos com a filha que acompanhamos.

No Mar é angustiante do começo ao fim. Não sabemos o que aconteceu, o que é verdade, o que é alucinação. A escrita é envolvente e, bingo!, deixa o leitor um tanto mareado, como se a voz daquele pai desesperado entrasse como o movimento das ondas do mar em nossas cabeças. Delírio meu? Talvez, mas, afinal, o que não o é nesse livro?

Heijmans nos deixa muitas reflexões sobre paternidade, sobre o trabalho e a vida nas entrelinhas desse pequeno livro. Não nos dá respostas, devo alertar, porém. Quando eu pensei que finalmente entendera o que estava acontecendo, vem o final e, puff!

Leitura rápida e um tanto angustiante. Um bom livro, sem dúvidas.

Comprar:

Compre aqui Amazon

 

 

Sinopse: Em meio a uma grande crise pessoal, Donald, um homem de 40 anos, decide passar três meses velejando pelo Mar do Norte. Nos últimos dias do trajeto, da Dinamarca para a Holanda, terá a companhia de sua filha de sete anos, Maria. Será a primeira vez que os dois ficarão sozinhos, sem os cuidados da mãe, Hagar. Apesar do cansaço do pai-capitão, tudo parece estar sob controle. Quase chegando ao destino final, no entanto, ele perde a filha de vista. Esse narrador, nada confiável, escreve a experiência num diário de bordo, numa clara referência a Donald Crowhurst, navegador amador britânico encontrado morto em meio a uma competição, em 1969, depois de mandar uma série de falsos relatórios afirmando que estaria na rota correta e muito perto de cumprir o trajeto.

Doutor Fausto, Thomas Mann

Tags

, , , , , , ,

 

 

Autor: Thomas Mann
Lit. Alemã / Clássicos / 1001 Livros / Nobel
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 600
Ano: 2015
Ano de Publicação Original: 1947

 

Comecei a leitura de Doutor Fausto sem ter muita noção da dimensão da obra que tinha em mãos. Sabia apenas que era uma releitura da famosa lenda fáustica alemã, na qual o médico vende sua alma ao diabo em troca de tempo de vida para fazer grandes descobertas científicas. Como amante da música, o que mais me interessava não era a lenda, mas o fato de narrar a vida de um compositor alemão, ainda que fictício.

Li aquelas primeiras páginas umas trocentas vezes. Ia e voltava, não entendia muita coisa. Então, resolvi continuar mesmo sem compreender tudo o que lia para ver no que dava. E o que surge diante dos meus olhos são capítulos maravilhosos, sensacionais, seja sobre música, seja sobre guerra, intercalados com uns capítulos malucos, de quebrar a cabeça.

Ambientado na Alemanha da primeira metade do século XX, Doutor Fausto nos conta a história do músico Adrian Leverkühn, narrada por Serenus, seu amigo de infância, que tem uma profunda admiração pelo compositor.

Após ter se relacionado com Esmeralda, uma prostituta, e contraído sífilis, Adrian, doente, faz um pacto com o diabo – em um capítulo de tirar o fôlego – no qual vende sua alma e a capacidade de amar em troca de 24 anos de uma carreira brilhante na música. Acompanhamos, estupefatos, todo esse período de apoteose musical até o momento em que ele decide convidar amigos para uma, digamos, apresentação final.

Até a metade do livro, apesar de ter uns capítulos de cair o queixo, eu não imaginava que ia gostar tanto desse livro. Foi uma leitura das mais difíceis que já fiz e a que me deixou mais eufórica quando concluí. Os capítulos finais são apoteóticos, indescritíveis. Eu tinha vontade de ler tudo em voz alta, de marcar todos os trechos, de mostrar a todo mundo aquilo que lia. Thomas Mann é genial.

Durante todo o livro o autor fala muito de música e composição, o que pode deixar a leitura ainda mais difícil para quem nada entende do assunto. Para quem ama a música, como eu, é de entrar em êxtase. Fala de polifonia, fuga, adagio, harmonia, coro… fala de partitura, de dodecafonia, faz referências a músicos como Wagner e traça paralelos com a 9a Sinfonia de Beethoven. É de pirar!

Além de tudo, o personagem ainda é considerado uma alegoria da Alemanha da época, daquela Alemanha que se rendera ao nazismo após a Primeira Guerra. Quando ficamos sabendo disso, tudo cresce ainda mais. É, repito, apoteótico, genial, sensacional.

Não tenho palavras para descrever como queria a experiência dessa leitura, que entrou, sem dúvidas, para minha lista de favoritos. Leiam! Vale cada gota de suor.

* Está na lista dos “1001 livros para ler antes de morrer” (Clique aqui para ver mais sobre o Projeto 1001 livros e as resenhas já feitas da lista)

 

Comprar:

Compre aqui Amazon

 

 

Sinopse: Último grande romance de Thomas Mann, Doutor Fausto foi publicado em 1947. O escritor fez uma releitura moderna da lenda de Fausto, na qual a Alemanha trava um pacto com o demônio — uma brilhante alegoria à ascensão do Terceiro Reich e à renúncia do país a sua própria humanidade. O protagonista é o compositor Adrian Leverkühn, um gênio isolado da cultura alemã, que cria uma música radicalmente nova e balança as estruturas da cena artística da época. Em troca de 24 anos de verve musical sem paralelo, ele entrega sua alma e a capacidade de amar as pessoas. Mann faz uma meditação profunda sobre a identidade alemã e as terríveis responsabilidades de um artista verdadeiro.