Tags

, , , , , ,

O Pintassilgo
Autora: Donna Tartt
Pulitzer 2014 / Ficção realística
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 721
Ano: 2014

 

Quando marco para ler um livro que ganhou um prêmio como o Pulitzer já vou preparada para uma leitura, no mínimo, “diferente”. Tanto pode ser boa como ruim, mas geralmente foge do comum. Terminei O Pintassilgo sem saber muito para que lado enveredar, mas continuo com o primeiro pensamento: diferente. Em que sentido? No modo como uma história simples foi contada – e alongada – por mais de 700 páginas.

O Pintassilgo conta a história de Theo, um garoto nova-iorquino que sobreviveu ao atentado terrorista que matou sua mãe. Sem ter para onde ir, termina acolhido na família de Andy, um amigo rico, e passa a ser um estranho naquele ninho. Tempos depois, seu pai reaparece e o leva para viver com ele e sua namorada em Las Vegas. É lá que ele conhece Boris (por que existem tantos Boris nesse mundo, por quê?!), um garoto encrenca, e a partir de onde tudo começa a desandar. Quando volta a Nova Iorque, passa a trabalhar em um antiquário com Hobie, um senhor que lhe ensina técnicas de restauração. Será que esse trabalho pode reverter os danos que “las vegas” lhe causou?

Não sabia bem o que esperar desse livro e seu início logo me mostrou que seria preciso paciência, que a história em si nem era o mais importante. Como já sabia pela sinopse que a mãe do garoto morria, pensei que leria isso logo de cara, mas não é o que acontece. São páginas e mais páginas, fatos e mais fatos, detalhes e mais detalhes até que tudo aconteça. Dizer que a autora foi bem prolixa pode soar como algo negativo, mas direi mesmo assim. Prolixa. Muito! No entanto, mesmo alongada, a leitura não foi entediante. Arrastada, sim. Chata, não. E isso pode parecer contraditório, mas foi bem o que senti, e talvez seja um dos fatores que diferencia um bom escritor de um ruim.

Donna Tartt nos passa a sensação de que ela é facilmente distraída por qualquer assunto que lhe venha a mente. É como se ela estivesse nos contando algo importante, mas qualquer besouro que passe por perto merece suas quinzes páginas de história. E com isso temos um livro pra lá de extenso, com uma história que não sai muito do lugar, mas que dá brechas para reflexões profundas. Não quero usar a palavra tédio, pois não a acho adequada, já que a autora tem o talento de nos deixar presos, atentos, sem pestanejar, fascinados com o que nos conta, mas por muitas vezes tudo é muito maçante.

O livro é escrito em primeira pessoa e em longos capítulos, mas estes se subdividem em pequenas partes, o que acelera um pouco a leitura. A escrita é muito boa, flui com uma facilidade impressionante e, incrivelmente, não é repetitiva. Digo isso porque a vida do protagonista, essa sim, é repetitiva. Os anos passam, ele muda de amigos, de casa, de cidade, de emprego, de amores, mas é como se sua vida fosse a mesma um dia após o outro, como se ele ainda estivesse preso naquele museu onde aconteceu o atentado. Ou, talvez, como se ele não devesse ter sobrevivido, simplesmente, como se não houvesse escapatória para episódios assim.

O Pintassilgo nos mostra – lentamente – as consequências de perder seu referencial de vida tão cedo, nos mostra como um adolescente precisa de bons exemplos, de atenção, de cuidado e, principalmente, de orientação. É o livro dos “se”. E se ele tivesse… e se não estivesse… e se ela não pudesse… e se… e se… e se… Será que somos quase sempre produtos do meio? Será que a boa índole prevalece? Existem pessoas mais influenciáveis que as outras?

É bem conflitante falar desse livro, pois se por um lado ele é fantástico, por outro, sua história é bastante depressiva e triste. A autora realmente me fez refletir sobre os Theos perdidos pelo mundo, sobre como se tornam facilmente invisíveis, como são vulneráveis e rapidamente engolidos por qualquer escape, por mais momentâneo e arriscado que seja. Há vida sem um propósito, sem um sonho, sem uma meta?

Um dos pontos altos do enredo é que ele está sempre mencionando arte, seus pintores e pinturas. Para quem gosta de arte, como eu, isso é, digamos, uma “tomada de fôlego” no meio de todo esse turbilhão.

É difícil dizer que recomendo, pois é estranho indicar uma história um tanto deprimente como essa. Aos que, mesmo sabendo de sua melancolia e prolixidade, ainda se interessaram pelas reflexões que ele traz, certamente terão uma leitura interessante.

3 corações 4.5 Estrelas
o pintassilgo donna tartt

Sinopse: Quando Theo Decker, nova-iorquino de treze anos, sobrevive milagrosamente a um acidente que mata sua mãe, o pai o abandona e a família de um amigo rico o adota. Desnorteado em seu novo e estranho apartamento na Park Avenue, perseguido por colegas de escola com os quais não consegue se comunicar e, acima de tudo, atormentado pela ausência da mãe, Theo se apega a uma lembrança poderosa de seu último momento ao lado dela: uma pequena, misteriosa e cativante pintura que acabará por arrastá-lo ao submundo da arte.
Já adulto, Theo circula com desenvoltura entre os salões nobres e o empoeirado labirinto da loja de antiguidades onde trabalha. Apaixonado e em transe, ele será lançado ao centro de uma perigosa conspiração.
O pintassilgo é uma hipnotizante história de perda, obsessão e sobrevivência, um triunfo da prosa contemporânea que explora com rara sensibilidade as cruéis maquinações do destino.