Tags

, , , , , , ,

Autora: Kiera Cass
Distopia / Young Adult
Editora: Seguinte
Páginas: 390
Ano: 2015
Série: A Seleção #4

 

Quem leu a trilogia A Seleção (ou o que era originalmente uma trilogia) e gostou ficou surpreso quando viu, alguns meses atrás, que seria lançado um quarto livro. Como a autora também havia lançado alguns extras, como os contos O Guarda e O Príncipe, fui me certificar se A Herdeira não seria mais um. Não era. Era a história da herdeira do casal protagonista, vinte anos depois, em uma nova seleção.

Se não leu a trilogia – A Seleção, A Elite e A Escolha – aqui saberá qual foi a escolha do príncipe. Portanto, se não quiser esse spoiler, melhor parar por aqui 😉

Espera. Seleção? Outra? Vinte anos depois? Então aquele mundo distópico que pensávamos ter terminado com o desfecho da trilogia ainda existia? Como? Fiquei receosa de ler que todo o esforço de America e Maxon fora em vão, mas… bem… eu me apaixonara pela trilogia, como deixar de ler essa continuação? Voilà!

A Herdeira conta a história de Eadlyn, princesa e filha mais velha de America e Maxon, que desde o nascimento é treinada para ser rainha. A divisão da população por castas foi desfeita vinte anos atrás, mas o povo anda descontente e está começando a se revoltar novamente com a monarquia. Para distrair e alegrar seu povo, o rei e a rainha sugerem que seja feita uma nova Seleção, para que Eadlyn encontre um marido e possa se preparar para assumir seu posto com alguém ao seu lado.

Comecei a leitura e o que eu mais temia aconteceu. A própria autora foi destruindo tudo que ela construiu nos três livros anteriores. As atitudes de Maxon e America, agora rei e rainha, não são compatíveis com a personalidade mostrada anteriormente. Lutaram tanto e vinte anos depois pensam como pensavam seus predecessores, se tornaram um pouco daquilo que eles condenavam. Querer distrair seu povo com uma nova Seleção foi o que mais me decepcionou.

Bem, na esperança de me sentir como uma adolescente apaixonada tal como na trilogia original, deixei esse “detalhe” passar, mas outros problemas vieram. A princesa Eadlyn é uma das personagens mais irritantes que já vi. Uma garota mimada que repete a hora toda que foi criada para ser rainha, que tem um grande peso nas costas e muito poder nas mãos. Ela se questiona sobre isso repetidas – e cansativas – vezes.

Até um pouco mais da metade, não me vi envolvida com nenhum dos candidatos e pensei várias vezes em desistir da leitura. Contudo, a história realmente melhora quando se aproxima do fim, quando alguns personagens vão conquistando seu espaço e mostrando um certo carisma. Até a princesa Eadlyn fica suportável!

A escrita, em primeira pessoa pelo ponto de vista de Eadlyn, é simples e flui com facilidade, mas, por repetir demais os mesmos pensamentos e questionamentos da princesa, se torna um pouco sem graça.

Então, não tem nada de bom? Sim, tem. O final! Não por descobrirmos que teremos continuação, mas pela promessa de que a história tomará outro rumo que não a cópia da trilogia anterior. Gostei do gancho que a autora deixou para o próximo livro. Por mais que ela termine de um jeito que deixa o leitor na mão, simplesmente interrompendo a história, eu pude ver uma luz no fim do túnel.

Se eu soubesse que teria continuação, certamente não teria lido agora e é o conselho que deixo: só leiam quando a série estiver completa. É frustrante começar uma história e esperar meses para concluí-la. Se eu tivesse ela completa na mão, quem sabe eu não estaria com uma opinião mais positiva?

Por enquanto, fica a decepção de não ter me apaixonado, de não ter me encantado, de não ter lido o conto de fadas que eu esperava. Continua a saudade de uma America maravilhosa e um Maxon que fazia suspirar.

 

2.5 corações

Capas de A Seleção

As lindas capas da série ❤

 

Comprar Série A Seleção:

livrariaculturalogo

 

 

Sinopse: A Herdeira – Vinte anos atrás, America Singer participou da Seleção e conquistou o coração do príncipe Maxon. Agora chegou a vez da princesa Eadlyn, filha do casal. Prestes a conhecer os trinta e cinco pretendentes que irão disputar sua mão numa nova Seleção, ela não tem esperanças de viver um conto de fadas como o de seus pais… Mas assim que a competição começa, ela percebe que encontrar seu príncipe encantado talvez não seja tão impossível quanto parecia.

Anúncios