Tags

, , , , , , , , , , ,

Anjo Mecânico – As Peças Infernais #1

anjo mecanico cassandra clare

 

Autora: Cassandra Clare
Fantasia / Young Adult
Editora: Galera Record
Páginas: 392
Ano: 2012

 

Resenhado em 2013, lido em inglês – nível semi-avançado – 4/5

Há algum tempo quero ler os livros da Cassandra Clare, mas temia ler mais do mesmo e cansar do mundo sobrenatural e fantasioso – um pouco do que aconteceu com as distopias. Quão errada estava eu! Se você tem os mesmos receios, não os tenha! Anjo Mecânico é superior a tudo que já li do estilo.

Esse é o primeiro livro da série As Peças Infernais, que se passa no mesmo mundo de Os Instrumentos Mortais, porém muitíssimos anos antes, na Londres vitoriana de 1878. Diferente da maioria dos leitores, não li nenhum livro da série Os Instrumentos Mortais (hoje já li rs), então não tenho como opinar por qual série a leitura deve ser iniciada.

Anjo Mecânico começa a contar a história de Tessa, uma novaiorquina que acaba de se mudar para Londres atendendo a um chamado de seu irmão Nathaniel. Tessa vai se ver presa pelas Dark Sisters, sem saber nenhuma notícia do seu irmão e cheia de poderes antes desconhecidos. Na busca por Nathaniel, ela descobre que tem um dom raro e passa a conhecer um mundo novo, cercado de seres do submundo e de caçadores de sombras, cercado de mistérios e magia, de amigos e inimigos. Nessa procura conhece, dentre outros, Jem e Will, amigos inseparáveis, nefilins, que tentarão, cada um a sua maneira, proteger a inocente Tessa.

Não é só um livro sobre vampiros, nefilins e bruxos. É muito mais. É sobre mistérios e segredos. Sobre mundos e submundos. Sobre anjos e demônios. O mundo que a Clare criou é surpreendente e espetacular. Diria que é mais um livro de fantasia do que de seres sobrenaturais. Somado a isso, ponha uma Londres da era vitoriana meio sombria, ricamente apresentada. Quer mais? Tem mais. Um triângulo amoroso começa a ser embasado de uma maneira singular, singela e original – ou o quão original um triângulo amoroso pode ser. E, apesar de não ser o foco principal da trama, ele vai ditar muitas das atitudes e dos fatos que ocorrem.

A escrita. O que falar da escrita de Cassandra Clare? Estupenda! O desenvolvimento do enredo é perfeito, a qualidade descritiva é muito boa e os personagens são contagiantes, fortes e carismáticos.

A autora fez de uma história juvenil, um livro para ser lido por jovens de qualquer idade, tenha ele dez ou cem anos. Fez do comum, um mundo encantador que nos tira do chão e nos faz virar página atrás de página, incessantemente. Entrou para o rol dos meus autores favoritos, sem pestanejar. Muitas estrelinhas e muita sede pelo próximo livro, Príncipe Mecânico.

4.5 Estrelas 4.5 corações

Príncipe Mecânico – As Peças Infernais #2

principe mecanico cassandra clare

AUTORA: CASSANDRA CLARE
FANTASIA / YOUNG ADULT
EDITORA: GALERA RECORD
PÁGINAS: 406
ANO: 2013

Resenhado em 2013, lido em inglês – nível semi-avançado – 4/5. Pode conter spoilers do livro anterior.

Como comentar um livro tão fantástico – em todos os sentidos – como esse? A euforia em torno dessa série era tão grande que fui convencida a lê-la e ao terminar o primeiro livro pensei ter entendido o motivo de tamanha fama, afinal o mundo criado pela autora é, de fato, fascinante e facilmente se destaca no meio de tantos livros do gênero. Mas foi na leitura de Príncipe Mecânico que eu fiquei atônica, sem ar e sem palavras.

Em Príncipe Mecânico temos a capacidade de Charlotte em comandar o Instituto de Londres posta à prova pelos Lightwoods, que dão um prazo para que ela encontre o temido Mortmain. Se Charlotte perder a posição de chefia, Tessa certamente não terá para onde ir e, por esse e outros motivos, todos no Instituto vão se empenhar ao máximo para provar que Charlotte é capaz, sim, de continuar no cargo. E é em torno dessa busca por Mortmain que os fatos acontecem.

No desenrolar da história, o triângulo amoroso, antes leve e juvenil, ganha destaque e profundidade e, se posso afirmar algo com veemência, é que ele vai partir seu coração em dois. Sempre que li histórias envolvendo três pessoas, tive minha preferência por um dos personagens facilmente escolhida e torcia para que a autora “desse um jeito” de encontrar um novo amor para a terceira pessoa e, pronto, estava tudo resolvido. No entanto, em As Peças Infernais, lhes digo, não há como escolher entre Will e Jem. Simplesmente não há! Esse deve ser o triângulo amoroso mais angustiante de toda a literatura juvenil e o mais bem construído também. Não tenho ideia de como Cassandra Clare vai desatar esse nó, pois seja qual for sua escolha, vai dilacerar o que sobrou de nós. E, Cassandra, se você matar o Jem…

Além do mundo de fantasia fascinante criado, o fato de a história se desenrolar em Londres, no ano de 1878, só me fez gostar ainda mais dessa trilogia, pois por vezes sentimos como se estivéssemos lendo algum clássico inglês, com linguajar mais formal, trajes e costumes condizentes com a época, ruas sombrias e carruagens. Toda a magia de uma era se une à fantasia dos personagens de forma que encanta e vicia.

Tessa: Se tornou uma das minhas personagens femininas preferidas. Ela é forte, carismática e prestativa, e suas atitudes e pensamentos são sempre condizentes com o perfil e caráter que lhe foi dado pela autora.

Will: Um garoto lindo, de fazer suspirar e delirar, mas que carrega uma maldição que o faz afastar todos que dele se aproximam. Como não amar um Will que, por trás de uma fachada de pedra, faz de tudo pelos amigos?

Jem: Um coração doce, do mais açucarado que você possa imaginar, mas que está morrendo lentamente, viciado em uma droga que ao passo que lhe tira a vida, também lhe mantém nela.

A amizade parabatai entre Will e Jem só poderia existir na ficção de tão utópica que é. Parte fundamental de toda a trama, ela acalenta – e nos destrói em um determinado momento.

Jessa: Sobre Miss Lovelace só digo uma coisa: vai lhe dar ainda mais raiva do que no primeiro livro.

Henry e Charlotte: O casal na liderança do Instituto que não teve tanto minha simpatia em Anjo Mecânico (não que não tenha gostado!), me ganhou e conquistou um lugarzinho só deles. Henry, vibrei com você! Rs

Todos os personagens, vilões ou mocinhos, são marcantes e muito bem desenvolvidos. Toda ação é precisa, bem embasada e estruturada de forma brilhante. Eu diria que a autora variou de surpreendente a incrível, de perfeito a mais que perfeito, de glorioso a estupendo. Se você ainda não leu porque não gosta de fantasia, bruxos ou qualquer coisa do tipo, vale a pena experimentar essa série e deixar que ela lhe agarre com unhas e dentes. Se dela não gostar, desista, você definitivamente não gosta de fantasia.

5 Estrelas 5 corações

 

Princesa Mecânica – As Peças Infernais #3

princesa mecanica cassandra clare
AUTORA: CASSANDRA CLARE
FANTASIA / YOUNG ADULT
EDITORA: GALERA RECORD
PÁGINAS: 434
ANO: 2013

Resenhado em 2013, lido em inglês – nível semi-avançado – 4/5. Pode conter spoilers dos livros anteriores.

E Cassandra Clare desatou o nó…

No segundo livro da série As Peças Infernais pensei em todas as possibilidades que a autora teria para desatar o nó que criou com o triângulo amoroso e nenhuma parecia aceitável, todas já doíam no peito antes mesmo de acontecerem. Jem morreria para que Tessa pudesse ficar com Will? Will deixaria que seu parabatai fosse feliz com sua amada Tessa? De qualquer forma teríamos ou o coração de um ou do outro partido – e consequentemente o nosso também se despedaçaria, não?

Princesa Mecânica se desenrola em torno da tentativa de destruir o exército mecânico criado por Mortmain e de descobrir suas verdadeiras intenções. Além disso, o consul, se sentindo ameaçado e desobedecido por uma mulher, tenta tirar o poder das mãos de Charlotte, que o alerta de todas as formas sobre As Peças Infernais de Mortmain. No meio de toda essa “guerra” ainda temos o turbilhão de emoções entre o trio Tessa, Jem e Will. Jem está a cada dia mais debilitado e Will cada vez mais disposto a ajudá-lo. Entre eles, uma Tessa dividida igualmente entre dois amores.

Se nos dois primeiros livros o foco é o trio principal, no terceiro volume os personagens Cecily, Sophie, Gideon, Gabriel, Charlotte, Henry e Magnus Bane são tão importantes quanto e tem suas vidas abertas para o leitor. Finalmente descobrimos a origem de Tessa, quem e o que ela é, e fiquei encantada acompanhando o raciocínio da autora.

Reafirmo o que disse sobre os livros anteriores: a escrita um pouco mais formal e o cenário de uma Londres vitoriana é mais que um deleite. Eu diria que a característica principal da série é a emoção, apesar de a ação e o mistério serem partes igualmente importantes. Os laços entre os personagens são tão fortes que superam os laços sanguíneos, e ver essa amizade madura e incondicional encanta e enche nossos olhos. O desprendimento e o amor imensurável aquece as entrelinhas de uma história pra lá de fantástica, que certamente deixa um vazio em que a lê.

Epílogo Ah, o epílogo! Sem palavras para descrevê-lo… Chorei as lágrimas que não caíram durante toda a série, me derramei sem parar até fechar o livro e colocá-lo de volta na linda jacket que o acompanha. Perfeito…devastador, alegre, angustiante, feliz, triste…perfeito!

5 Estrelas5 coraçõesfavoritos

as peças infernais

The Infernal Devices – Dos livros mais lindos da minha estante ❤

Anúncios