Tags

, , , ,

 

 

Autor: Desconhecido
Clássico / Contos
Editora: Zahar
Páginas: 144

Comentários feitos a partir da leitura da edição de As mil e uma noites da Nova Fronteira, da versão de Antoine Galland.

Com o lançamento da live-action de Aladdin, algumas editoras aproveitaram para lançar suas edições do conto milenar que serviu de inspiração para o filme da Disney. Lembrei, então, que eu tinha o livro d’As mil e uma noites, do qual Aladim faz parte, e comecei a leitura. ⠀

O início do conto é bem interessante e a história tem aquele tom que dá a sensação de estarmos ouvindo alguém narrando em voz alta enquanto lemos (Senti algo parecido com a leitura do Decamerão, de Boccaccio). Do meio pro final, no entanto, ela perde um pouco o ritmo, se torna um tanto repetitiva.⠀

Como já era de se esperar, as diferenças entre o conto e a versão da Disney são muitas. A Disney sempre dá um jeito de transformar essas histórias em românticos contos de fada [além de adaptá-las para crianças].⠀

Aqui não temos tapete mágico, nem a promessa de um mundo ideal, Aladim tem mãe, Jasmine se chama a princesa de Badrulbudur, não temos Abu, o gênio não tem graça alguma 🤷🏻‍♀️ e os desejos não são limitados a três, mas (tediosamente) infinitos.⠀

Sim, a história da Disney é mais envolvente e, eu diria, rica – e ainda tem a trilha sonora maravilhosa, mas vale, sim, a pena conhecer o conto original.

 

Comprar:

Compre aqui Amazon

 

 

 

Sinopse (Edição Zahar): A história que inspirou o novo filme da Disney agora na coleção Clássicos Zahar 

Aladim finalmente ganha uma merecida edição individual que oferece ao leitor toda a riqueza deste conto de As mil e uma noites, como narrado por Sherazade. 

Habitualmente retratada como simples aventura infantil, a história do adolescente rebelde que luta pelo amor da princesa e pela lâmpada mágica mostra-se aqui muito mais rica e complexa. 

Esta nova versão, organizada pelo estudioso Paulo Lemos Horta e traduzida para o português a partir da aclamada versão inglesa de Yasmine Seale, recupera detalhes, sutilezas e a força narrativa do original. Podemos ouvir a voz feminina e única de Sherazade hipnotizando o Sultão que ameaça matá-la quando a história acabar – mantendo-o assim à espera do episódio seguinte, tal como nós. A versão impressa apresenta ainda capa dura e acabamento de luxo.