Tristão e Isolda, Joseph Bedier


Autor: Joseph Bédier

Lenda Medieval / Clássico / 

Editora: WMF Martins Fontes

Páginas: 138



[comprar]

 

{lido em jan 2020} Estava um dia desses ouvindo um trecho da ópera de Wagner inspirada na lenda de Tristão e Isolda quando me apareceu a recomendação do livro Coração devotado à morte (aqui), de Scruton, no qual o filósofo “transforma Tristan und Isolde num caleidoscópio de conceitos, textos e ritmos”. Música, filosofia e literatura juntas. ♥️ Pronto, um prato cheio para a leitora aqui.⠀

Comprei, claro! 🙈 Só tinha um problema, por conhecer a lenda (ou achar que conhecia), eu nunca me interessara em ler Tristão e Isolda. Mirando simplesmente a leitura de Coração devotado à morte (ainda suspirando com este título🤤), peguei Tristão e Isolda para “dar uma lidinha” e me deparei com uma história riquíssima, daquelas em que reconhecemos a origem de tantos outros livros (de Romeu e Julieta, inclusive).⠀

Acredita-se que Tristão e Isolda venha das lendas contadas pelos povos celtas e que tenha iniciado sua forma literária no século XI.⠀

Li a versão de Bédier e gostei bastante. A linguagem mais formal dos diálogos é um deleite à parte. Leiam-no, vale a pena – especialmente para refletir sobre originalidade.

Atualização: a editora 34 lançou uma edição em versos, de Béroul.

Comprar [aqui]Compre aqui Amazon

Sinopse (ed. 34): A história de Tristão e Isolda, de origem celta, incendiou a imaginação de poetas, músicos, ficcionistas e dramaturgos por vários séculos, tendo inspirado a célebre ópera de Wagner. O romance de Tristão, do misterioso Béroul, uma narrativa em versos rimados e metrificados composta entre 1150 e 1190, integra o ciclo de histórias do rei Artur e os cavaleiros da Távola Redonda, e marca o surgimento do romance moderno no Ocidente. A presente edição bilíngue, apresentada e traduzida por Jacyntho Lins Brandão, professor emérito da Universidade Federal de Minas Gerais, foi vertida diretamente do francês arcaico e recupera, em nossa língua, todo o brilho, o frescor, a inventividade e o colorido dos 4.485 versos dessa indiscutível obra-prima da literatura medieval

Coração devotado à morte, Roger Scruton




Autor: Roger Scruton

Filosofia / Música

Editora: É Realizações

Páginas: 288

Ano: 2010

[comprar]



Em Coração devotado à morte, o filósofo Roger Scruton analisa – e exalta! – minuciosamente a obra de Wagner e, através dela, nos traz reflexões sobre o sagrado, os mitos, a morte, os rituais, os sacrifícios, o olhar, o amor cortês, o amor erótico e até a Eucaristia. Mistura música e filosofia de uma maneira que elas nos parecem completamente indissociáveis.

Eu havia lido Tristão e Isolda e me encantara com a leitura. Conhecia a obra de Wagner baseada na lenda, mas não era uma peça que eu costumasse ouvir sempre [até por ter mais de 4 horas de duração]. Para a leitura da análise de Scruton, mergulhei na música de Wagner. Ainda que não compreendesse nem metade do que lia, passei a enxergar o que não enxergava. Aliás, a ouvir o que não ouvia. Sublime, meus amigos, sublime!

Scruton fala de literatura, de música e de filosofia. Traz à cena nomes como Schopenhauer, Kant, Girard, Nietzsche, Freud e Schoenberg. Todas estas e outras referências, à medida que enriquecem a leitura, tornam-na lenta e difícil. Apesar disso, para quem gosta de música e gosta de ler, vale o esforço – e a pesquisa.

“Seu sucesso triunfante em Tristan und Isolde é um farol para nossos esforços menores, e uma recordação, num mundo cada vez mais desumanizado, do que significa ser humano.”

📌Você gosta do Histórias de Papel? ♥️☺️ Comprando seus livros através desses links você me ajuda a manter a página sem pagar nada a mais por isso. Obrigada!!♥️

Comprar [aqui]

Sinopse: Roger Scruton propõe uma rara combinação transdisciplinar. Nas palavras do autor, seu ponto de vista “ora é filosófico, ora é crítico, ora é musicológico”. A riqueza deste livro relaciona-se à pluralidade derivada de tal abordagem. Desse modo, transforma-se Tristan und Isolde num caleidoscópio de conceitos, textos e ritmos. Ademais, Scruton tece um diálogo tão inesperado quanto fecundo entre Immanuel Kant e René Girard – entre outras tantas interlocuções ousadas e criativas. Segundo o autor, se, na superfície, as óperas de Wagner articulam um aparente contraponto com o caráter ascético do cotidiano do filósofo de Königsberg, ainda assim, em sua estrutura profunda, a obra de Kant teria sido “a grande inspiração por trás da visão da natureza humana que foi expressada e legitimada nas óperas de Wagner, e que encontra sua elaboração mais surpreendente e comovente na história de Tristan e Isolde”. O livro de Scruton é também uma exploração independente do erótico e do “momento sacramental” que ele contém, do qual a nossa sociedade do sexo instantâneo e da pornografia desmedida está se afastando progressivamente. Scruton vê Tristan und Isolde como um ponto de transição na autocompreensão da humanidade moderna, e também como uma das maiores obras de arte já concebidas.

Hamlet, William Shakespeare




Autor: William Shakespeare

Clássico / Teatro

Editora: Nova Fronteira

[comprar]






Que leitura sensacional! Por mais que eu conhecesse a boa fama de Hamlet, não esperava gostar tanto dessa peça. 

Shakespeare nos apresenta o jovem Hamlet, sofrendo pela morte do pai, rei da Dinamarca, que morrera dois meses antes, e indignado com o recente casamento de sua mãe com o cunhado. O fantasma, teoricamente do rei morto, aparece para Hamlet, conta-lhe por quem fora assassinado e exige vingança. Para confirmar a veracidade dos fatos, Hamlet usa do artifício teatral para fazer com que o assassino confesse seu crime. A partir daí, claro, a tragédia começa a acontecer.

A atemporalidade dos temas tratados nos deixa embasbacados. Hamlet é considerada a maior tragédia sobre vingança e, como não poderia ser diferente, a partir dela se desdobram a loucura, a insanidade, os erros, a imprudência e a tragédia que a todos destrói.

Hamlet reina absoluto por toda a peça e nos causa muitas e distintas sensações, por vezes até contraditórias. Sentimos compaixão, piedade… Rimos e sentimos raiva. Como não se enfurecer ao vê-lo destratar Ofélia e perder seu grande amor?

Em Hamlet lemos, com sorriso largo, os famosos solilóquios. Impossível não abrir um sorriso ao ler “ser ou não ser, esta é a questão”. Reconhecemos esta e tantas outras frases célebres de Shakespeare, como a dita por Polônio: sobretudo sê fiel e verdadeiro contigo mesmo. Aliás, esta faz parte de uma fala sensacional de Polônio, de um riquíssimo e atual conselho que ele dá para seu filho Laertes.

Certamente uma peça a ser relida muitas vezes. Uma leitura fluida, prazerosa e, apesar dos pesares, divertida. E, vale frisar, não tenham medo de Shakespeare, deem-se este prazer!

📌Você gosta do Histórias de Papel? ♥️☺️ Comprando seus livros através desses links você me ajuda a manter a página sem pagar nada a mais por isso. Obrigada!!♥️

Comprar [aqui]

A Bailarina de Auschwitz, Edith Eva Eger




Autora: Edith Eva Eger

Memórias / Holocausto

Editora: Sextante

Páginas: 304

Ano: 2019

[comprar]


Edith Eger tinha apenas 16 anos quando foi levada com uma de suas irmãs para Auschwitz. Seus pais, como tantos outros, morreram nas câmeras de gás. Edith e Magda, sua irmã, sobreviveram. A Bailarina de Auschwitz poderia ser um relato de sofrimento e raiva, mas é uma delicada, porém forte, história de superação.

Edith nos traz não só um relato de seu período no campo de concentração, mas as memórias de toda sua vida, de como formou uma família e escolheu uma profissão, de como ajudou pacientes e de como eles foram fundamentais no seu processo de cura.

Quão íntimo nos tornamos do outro quando lemos suas memórias escritas com a maior honestidade? Sabe quando falamos que queremos guardar alguém em um potinho? Pois é… Ao abrir suas feridas, a enxergamos. Quanto mais a enxergamos, mais a admiramos. Quanto mais exposta, mais ela é útil, mais ela nos ensina. Edith nos mostra que sozinhos não somos nada, mas que somos os únicos responsáveis por cada decisão que tomamos, por cada escolha que fazemos.

É uma leitura que, embora faça chorar, revigora. Choramos suas angústias, mas vibramos com suas vitórias. Certamente toca o coração de quem lê, mesmo que uns mais, outros menos. Viktor Frankl foi seu grande incentivador e é, de fato, uma leitura que se assemelha a Em busca de um sentido. Ambos falam sobre a importância de buscar um sentido, de ter o amor no centro de nossas vidas, de aceitar o que já passou e de viver o presente. De escolher viver o agora. De entender que nunca é tarde para (re)começar.

Obrigada, Edith, por toda a sua grandeza e generosidade.

📌Você gosta do Histórias de Papel? ♥️☺️ Comprando seus livros através desses links você me ajuda a manter a página sem pagar nada a mais por isso. Obrigada!!♥️

Comprar [aqui]

Sinopse: A bailarina de Auschwitz é a história inspiradora e inesquecível de uma mulher que viveu os horrores da guerra e, décadas depois, encontrou no perdão a possibilidade de ajudar outras pessoas a se libertarem dos traumas do passado.

O cérebro da criança, Daniel J. Siegel & Tina Payne Bryson



Autores: Daniel J. Siegel & Tina 
Payne Bryson

Parentalidade / Educação infantil

Editora: nVersos

Páginas: 240

Ano: 2015

[comprar]

O cérebro da criança é dos melhores livros sobre parentalidade que já li porque ele não nos dá, simplesmente, conselhos, nem muito menos é baseado em “achismos”. Ele apresenta, de maneira simplificada e clara, as recentes descobertas da neurociência sobre o funcionamento do cérebro das crianças, e como, conhecendo-o, podemos ajudar nossos filhos a lidar com sentimentos e sensações, de maneira que cresçam emocionalmente saudáveis.

Não é um livro imediatista, portanto, não esperem soluções mágicas (embora os quadrinhos ajudem bastante!). É um livro para que ajudemos nossos filhos a reconhecer e saber nomear o que se passa dentro deles.

Somos apresentados ao hemisfério esquerdo e ao direito do cérebro, ao cérebro “do andar de cima” e ao “do andar de baixo” e à memória implícita e à explícita. Eles nos explicam como, entendendo o funcionamento de cada uma dessas partes e sabendo que precisamos que elas funcionem integradas – e não isoladas – podemos ajudar nossos filhos.

O maior ganho, para mim, foi sem dúvida o conhecimento sobre memória implícita e explícita. Conhecendo-as, podemos ajudar nossos filhos a montar quebra-cabeças de experiências passadas, dolorosas ou assustadoras – ainda que aparentemente bobas para nós – e, com isso, ajudá-los a controlar as borboletas dos seus estômagos.

De suma importância também é a parte sobre a birra infantil, como identificar seu “tipo” e, assim, poder agir adequada e conscientemente.

Uma leitura de fácil compreensão, sucinta – mas completa – que visa a conexão entre pais e filhos, para que ambos saibam aproveitar as crises e transformá-las em oportunidades de crescimento e autoconhecimento.

Leitura obrigatória, sem dúvidas!

📌Você gosta do Histórias de Papel? ♥️☺️ Comprando seus livros através desses links você me ajuda a manter a página sem pagar nada a mais por isso. Obrigada!!♥️

Comprar [aqui]

Sinopse: O Cérebro da Criança, número 1 em vendas na Amazon e best-seller do New York Times, lançado pela nVersos Editora. O neuropsiquiatra Daniel J. Siegel e a psicoterapeuta Tina PayneBryson criaram um livro magistral direcionado a pais e educadores para ajudar as crianças no processo de amadurecimento de sua inteligência emocional. Um método brilhante que transforma as interações cotidianas em momentos valiosos. O ?cérebro do andar de cima?, que toma decisões e equilibra as emoções, continua em construção até os vinte e poucos anos de idade. E, especialmente em crianças pequenas, o cérebro direito e suas emoções tendem a ser dominantes sobre a lógica do cérebro esquerdo. Não é de admirar que as crianças possam parecer ? e se sentir ? tão fora de controle. Ao aplicar essas descobertas ao cotidiano da criação das crianças, pais e educadores poderão transformar qualquer explosão, discussão ou medo, em uma oportunidade de integrar o cérebro da criança e promover crescimento vital. Repleto de explicações claras, estratégias adequadas a cada idade para lidar com as dificuldades do dia a dia e ilustrações que ajudarão a explicar os conceitos às crianças, o livro mostra como cultivar desenvolvimento emocional e intelectual saudável para que elas possam levar vidas equilibradas, significativas e conectadas.

Por quem os sinos dobram, Ernest Hemingway



Autor: Ernest Hemingway

Clássico Moderno / 1001 livros /
Nobel / Literatura Americana

Editora: Bertrand Brasil

Páginas 672

Ano: 2012

Ano de publicação original: 1940

[comprar]

Eu já havia me apaixonado profundamente por Hemingway quando comprei Por quem os sinos dobram, mas ele passou muito tempo na minha estante esperando, talvez, mais maturidade da leitora aqui. Jamais imaginei que gostaria tanto deste livro.

Hemingway nos leva à guerra civil espanhola através de um personagem norte-americano, Robert Jordan, cuja missão era a de explodir uma ponte. Nas montanhas, conhece outros companheiros, cada um com seu papel naquela luta. E são os dias de convivência com esses novos colegas e de preparação da sua tarefa que acompanhamos neste livro.

Com uma escrita ridiculamente simples, certinha, direta, sem firulas, Hemingway nos transporta para o meio daquele bando e nos faz sentir o cheiro da embriaguez do álcool, do medo e da ansiedade. Com diálogos curtos, conversas banais e alguns xingamentos, Hemingway trata da condição humana. Faz-nos refletir sobre o valor da vida do outro, da vida do inimigo; sobre a ideologia que cega e manipula; sobre as atrocidades cometidas de cada lado da guerra; mostra-nos uma guerra em que não há heróis, mas mortos.

Por quem os sinos dobram é daqueles livros que não dá vontade de largar, especialmente nas primeiras 300 páginas – que passam sem nem sentirmos. ⠀ ⠀ ⠀
Hemingway diz muitíssimo mais do que está escrito, e talvez aí resida a genialidade do autor. Uma joia da literatura do século XX, sem dúvidas. De tão simples, incrível.

5 Estrelas

📌Você gosta do Histórias de Papel? ♥️☺️ Comprando seus livros através desses links você me ajuda a manter a página sem pagar nada a mais por isso. Obrigada!!♥️

Comprar [aqui]

* Está na lista dos “1001 livros para ler antes de morrer”, de Peter Boxall (Clique aqui para ver mais resenhas da lista)

** Autor ganhador do Prêmio Nobel de Literatura de 1954 (Clique aqui para ver mais resenhas de vencedores de Nobel)

Sinopse: Aclamado pela crítica como o melhor livro de ficção sobre a Primeira Guerra Mundial.Esta comovente história, cujo pano de fundo é a Guerra Civil Espanhola, narra três dias na vida de um americano que se ligara à causa da legalidade na Espanha. Robert Jordan é um americano integrante das Brigadas Internacionais, que luta ao lado do governo democrático e republicano, recebendo a missão de dinamitar uma ponte. Com ele está um grupo de guerrilheiros/ciganos, integrado por Pilar, mulher com extraordinária força de vontade, o perigoso Pablo e a bela Maria.Por quem os sinos dobramapresenta ao leitor uma das mais inesquecíveis histórias de amor da literatura moderna.Tal clássico da literatura trabalha o lado humano dos personagens diante da Guerra Civil Espanhola e, apesar de uma obra de muitas páginas, transcorre em leitura leve e poética. As nuances pessoais e íntimas daqueles que viveram aquele tempo encorpam as páginas do que se apresenta como obra histórica do conflito espanhol. Nenhum homem é uma Ilha, um ser inteiro em si mesmo; todo homem é uma partícula do Continente, uma parte da Terra. Se um Pequeno Torrão carregado pelo Mar deixa menor a Europa, como se todo um Promontório fosse, ou a Herdade de um amigo seu, ou até mesmo a sua própria, também a morte de um único homem me diminui, porque eu pertenço à Humanidade. Portanto, nunca procures saber por quem os sinos dobram. Eles dobram por ti. – John Donne

Inverno de Praga, Madeleine Albright


Autor: Madeleine Albright

Memórias / II Guerra Mundial / 
História

Editora: Objetiva

Páginas: 480

Ano: 2014

[comprar]

 

Madeleine Albright, nascida na Tchecoslováquia e filha de um diplomata judeu, foi a primeira mulher na História a ser nomeada Secretária de Estado norte-americano (governo Clinton).

Em uma narrativa cativante, Madeleine nos traz a História da Segunda Guerra Mundial sob um ângulo não tão comum, o tcheco. Ao inserir-se na História, trazendo consigo seus parentes (alguns, vítimas do Holocausto) e, em especial, a figura de seu pai, com suas opiniões e seus encontros com os líderes políticos da época, ela nos aproxima dos acontecimentos e nos traz muitas reflexões.

Começa falando um pouco da fundação da Tchecoslováquia e do seu primeiro presidente, T. G. Masaryk, um entusiasta da democracia. Fala do antes, do durante e do depois da Segunda Guerra. Mostra-nos o sofrimento de um povo que passou pelo nazismo e pelo comunismo.

Os que esperam – como o título indica – recordações pessoais podem se decepcionar. Elas são poucas, já que Madeleine era muito jovem naquela época. O livro é, na verdade, fruto de um extenso trabalho de pesquisa, não só histórica, mas de suas origens. O resultado é incrível, um relato bem escrito, bem estruturado e em nenhum momento cansativo.

Para quem gosta de História, um prato cheio.

📌Você gosta do Histórias de Papel? ♥️☺️ Comprando seus livros através desses links você me ajuda a manter a página sem pagar nada a mais por isso. Obrigada!!♥️

Comprar [aqui]

Sinopse: Antes que Madeleine Albright completasse 12 anos, sua vida foi abalada pela invasão nazista da Tchecoslováquia – o país onde nasceu -, pela Batalha da Inglaterra, pela destruição quase total das comunidades judaicas europeias, pela vitória dos Aliados na Segunda Guerra Mundial, pela ascensão do comunismo e pelo início da Guerra Fria. Em Inverno de Praga, a autora narra suas experiências e as de sua família durante os doze anos mais tumultuados da história moderna. Madeleine Albright reflete sobre a descoberta, muitos anos após o fim da guerra, da herança judaica de sua família; sobre a conturbada história de seu país natal; e sobre as escolhas morais que todos pertencentes à geração de seus pais tiveram de enfrentar. Inverno de Praga levará os leitores do castelo milenar na capital boêmia aos abrigos antibombas em Londres, da desolação do gueto de Terezín aos altos conselhos europeus e americanos. Ao mesmo tempo um livro de memórias extremamente pessoal e um incisivo trabalho de pesquisa, Inverno de Praga apresenta o passado através dos olhos de uma das mais fascinantes e respeitáveis figuras da política internacional dos dias atuais.⠀